Always the late bloomer,  foi preciso chegar aos trintas-e para ouvir de forma obsessiva álbuns com 20 anos (1994 já foi há 20 anos…?), que gritam angústias existenciais, revolta contra políticos e psicopatas, e me fazem cantarolar na rua there ain’t no black in the union jack.

O belíssimo Journal, com o melhor dos dois mundos (o durante e o pós-Richey), continua no topo da minha lista, mas a letra mil-à-hora-de-refrão-destrava-línguas-erudito de Faster é de tal forma viciante que estou há meses a tentar largá-la.

É a bíblia na prateleira dos Álbuns Melhores do que Café.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s